Olá Sabrinah! Meu nome é Eveli Rayane, sou de Pilar, na Bahia. Lendo O Livro dos Cachos, confesso que adorei todas as páginas, mas o que mais me tocou foi: “Ao me olhar no espelho, conseguia vislumbrar uma Sabrinah que eu nem sabia que existia. Era mais real que a Sabrinah com escova progressiva, mas de certa forma não era eu. ” (GIAMPÁ, p.23)

 

Confesso que me sinto exatamente dessa forma. É uma busca constante para encontrar a verdadeira Eveli, porque a Eveli não usou progressiva, mas escovava os cabelos toda semana por anos: A moda não era cachos, estava diferente de todo mundo, o liso parecia ser “muito mais prático” e mesmo possuindo um grande exemplo em minha casa – Minha mãe, que sempre amou os seus cachos, eu decidi escovar toda semana e depois de alguns meses eu já não sabia viver sem o secador e a prancha, a qual eu passava TODAS as manhãs na franja, mesmo que eu resolvesse usar natural…

Eu até que demorei para entrar nesse mundo da escova, mas quando entrei todos aprovaram e eu gostei muito da receptividade, mas infelizmente meu cabelo não estava mais aguentando tudo que eu fazia com ele e em vez de subtrair eu trouxe algo para somar: Passei a fazer luzes. Então, já insatisfeita com as pontinhas do meu cabelo, com a parte de baixo na metade de tanto quebrar e com essa dependência de alisamentos físicos, vi que precisava mudar.

Evelin e seus lindos cachos, mas a franja ainda lisa

Ano passado, quando terminei o semestre 2016.1 passei a ficar mais em casa e decidi não escovar, dá uma pausa. E assim fiquei por dias, mas sempre que precisava sair para a aula, dava uma escovadinha “rápida”. Depois de algumas semanas, comecei a sair de casa com o cabelo cacheado, mas só quando eu tinha certeza que não ia encontrar ninguém conhecido – Tinha medo da reação das pessoas. Percebi nesse momento que eu não estava somente presa a escova, mas também a opinião das pessoas conhecidas e isso mexeu muito comigo, não sou assim, não posso ser assim.

Foi aí que eu decidi, quase no final do semestre 2016.2 ir para a faculdade com o cabelo cacheado…. Lembro-me o quanto fiquei insegura, pois estava com medo de ouvir palavras negativas, mas felizmente quando cheguei na aula, eu percebi que não precisava ter medo, porque ali era o verdadeiro cabelo da Eveli e a opinião dos outros não precisava importar.

Depois desse dia, deixei mais ainda o secador de lado e vou para todos os lugares com o meu cabelo natural, me sinto livre para ser quem eu sou, para encontrar a verdadeira Eveli. Essa busca ainda não terminou…. Estou há meses usando o cabelo cacheado, mas sinto que falta algo, não está completo e felizmente tenho certeza que não é a escova.

Às vezes me pergunto se o problema está no corte, mas como cortar o cabelo com profissionais que ao te ver já perguntam “Você gosta do seu cabelo assim? Não quer alisar? ” Essa foi a pergunta que o cabelereiro me fez quando cheguei no salão, pois eu não queria mais o meu antigo corte e segundo ele, se eu mudasse o meu cabelo iria “ armar ”… Na minha região ainda não encontrei salões que trabalhassem com cachos, então… O que eu faço para ajustar o corte de acordo com o meu cacho e tipo de rosto? Será que o corte atrapalha a minha finalização? Não consigo deixar o meu cabelo sem divisão, toda semana eu tento, mas não consigo… Acho que depois que eu conseguir colocar em prática as respostas das perguntas acima, acredito que estarei muito mais perto de falar para mim mesma: “Essa é a Eveli que eu estava procurando ”, esse é um dos momentos que eu mais espero.

Gostou da história da Eveli? Quer ler outras? Clique aqui! Quer compartilhar a sua? Escreva para cachosefatosoficial@gmail.com e coloque no assunto Meu cabelo, minha história

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Comentários no Facebook