No mundo pós-moderno é possível comprar de tudo, inclusive um abraço. Uma americana, impulsionada talvez pela carência exacerbada de nossos tempos, onde as relações beiram à superficialidade, criou um site oferecendo um serviço inusitado: ela cobra para dormir de conchinha – isso sem nenhuma conotação sexual. Como estratégia de marketing, ela se embasa em pesquisas que evidenciam que o contato físico tem efeitos positivos para o funcionamento do organismo em geral e influi até em nossa saúde mental. E para atingir diretamente seu público alvo, ela usa uma pesquisa que enfatiza que os americanos, se comparados com pessoas de outras nacionalidades, são os que menos se tocam. Entre outros benefícios do serviço oferecido, são citados no site que o cérebro libera mais serotonina quando tocado, além de outras substâncias que servem para nos acalmar e trazer a sensação de felicidade e relaxamento, além de reduzir o estresse e a ansiedade, sentimentos comuns na atualidade. Por mais incrível que pareça, acredito que o site: http://www.thesnuggery.org/index.html pode ser convidativo para muitos americanos, que se sentem solitários num mundo com tantos gigabytes. Mas penso que esta é uma forma extremamente artificial de preenchimento de carência, como se isso pudesse ser comprado e modelado ao gosto do cliente. Aliás, dormir abraçado é algo tão íntimo, que dificilmente conseguimos fazer se não há algum vínculo com a pessoa em questão. Acredito que o próximo passo será o surgimento de sites que ofereçam relacionamentos fixos com data de começo, meio e fim e tabela de preços. E nele será possível escolher inclusive os assuntos a serem tratados a meia luz e a marca da pasta de dente do cônjuge. Ou seja, cada vez mais somos engulidos pelo capitalismo e nos esquecemos de nós mesmos. Esquecemos de viver.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Comentários no Facebook